terça-feira, 28 de abril de 2009

Perseguindo a Liberdade


Devemos seguir o amor

Devemos andar atrás da paz

E sobretudo da liberdade.


Devemos abrir as portas,

Abri-las aos demais.

Devemos abrir as portas da liberdade.


Devemos fugir do terrorismo

Devemos fugir da maldade

Mas sobretudo devemos perseguir a liberdade.


Devemos seguir o amor

Devemos andar atrás da paz

E sobretudo correr para a liberdade.


Se não tens nada a temer

Vem comigo e chama os demais

Diz-lhes que o amor, a paz, a liberdade

São signos de igualdade.


Diego e Pilar

As Grades do Coração


Estou entre grades,
Grades do meu coração,
Me reprime de te amar
Mas já não posso mais.

Abrirei as asas,
Voarei para onde tu estiveres…

Destruirei as gredes,
Grades do meu coração
Permitir-me-ei amar-te
Até já não poder mais.

Abrirei as asas,
Voarei para onde tu estiveres…

Voltarei às grades,
Grades do teu coração.
Dedicar-me-ei a amar-te
Como ninguém nunca amou…

Abrirei as asas,
Voarei para onde tu estiveres…

Tania Flores

“O Cravo, a Flor que devolveu a Liberdade”


Ontem, no dia 25 de Abril ocorreu um grande acontecimento. As Forças Armadas lutaram pela liberdade de todos os portugueses.
Foi uma grande revolução, porque não houve derramamento de sangue. O sinal de que a revolução se ia iniciar foi a canção “Grândola, Vila Morena” do cantor José Afonso, foi posta na rádio Renascença à meia-noite e meia.
O principal capitão que levou a revolução para a frente foi o capitão Salgueiro Maia.
Marcelo Caetano e alguns membros do governo refugiaram-se no quartel da GNR do Carmo. O Capitão Salgueiro Maia postou-se diante da porta e exigiu a rendição das forças ainda afectas ao regime.
Depois de momentos de grande tensão. Marcelo Caetano rendou-se e entregou o poder ao General Spínola.
A exultação popular foi imparável. De boca em boca, corriam os convites “para Caxias”, “para Peniche”, para ver os presos políticos que ainda não estavam em liberdade.
Em poucas horas, as forças armadas recuperaram o respeito e o carinho popular que há muito haviam perdido. Era devolvido ao povo o que era do povo: a liberdade.
Na “caça ao PIDE”, só a acção ponderada dos militares impediu que alguns deles fossem linchados. Os presos políticos foram libertados. Milhares de portugueses festejavam com muita felicidade o final de uma ditadura que atormentara todo um povo durante quase meio século.
É já impossível calar as vozes do povo e dos seus cantores. O povo saiu à rua para festejar a revolução, a liberdade e a dignidade que foi devolvida a todo o país.

Enviadas especiais Emma Flores, Aida Calleja, Iris Días.

“Vitória da Liberdade do Povo Português”


O Movimento das Forças Armadas (MFA) em conjunto com o povo português conseguiu derrubar o governo de Marcelo Caetano, imposto desde há 48 anos.

Às 22:55 de 24 de Abril de 1974, o Rádio Clube Português passou a canção “E Depois do Adeus” de Paulo de Carvalho, com uma clara mensagem de liberdade, mas foi à meia-noite, no dia 25 de Abril, que a Rádio Renascença transmitiu a canção “Grândola, Vila Morena” da autoria de José Afonso. Foi, sem dúvida, o início da revolução.

Apesar dos apelos do MFA para que a população não saísse à rua, o povo não resistiu ao encontro com a liberdade.

O Capitão Salgueiro Maia controlava a situação no Terreiro do Paço, enquanto Marcelo Caetano e alguns membros do governo desesperados decidiram refugiar-se no quartel da GNR no Carmo.

O Capitão Salgueiro Maia, junto a milhares de pessoas, concentraram-se junto ao quartel exigindo a rendição do governo.

Depois, Marcelo Caetano entregou o poder ao general Spínola.

As centenas de presos políticos foram libertados pelo MFA junto com o apoio do povo e a PIDE foi alvo da ira popular pela opressão vivida desde a sua existência. Foram os seus últimos momentos.

Os antigos presos políticos, junto com o povo, festejaram um dia que ficará para a história.


Os enviados especiais Alba Ranchel, Carmen Giraldez Jorge Calla.

quarta-feira, 1 de abril de 2009

"Capoeira" ou "português acrobático"!!!

Porque não utilizar movimento e acrobacias para ensinar português? Será possível?
Claro que sim, e a prova está na actividade de Capoeira, a arte marcial brasileira acompanhada de música, que se realizou no passado dia 31 de Março, no "Día del Centro" do I.E.S. Loustau-Valverde de Valencia de Alcántara.
A actividade, de cariz interdisciplinar, foi levada a cabo pelos departamentos de português e educação física e foi um sucesso! A aula aberta esteve cheia de alunos, professores e outros membros da comunidade educativa, de maneira que ficou a ideia de organizar para o próximo ano uma actividade do mesmo género.
O Mestre Domingos, um "capoeirista" do Brasil, trouxe muito movimento, cor e vocabulário em português que, com uns quantos movimentos marciais e acrobacias, transmitiu energia e alegria a todos os participantes na aula e, depois, na exibição.
Esta actividade foi muito útil para mostrar que existem outras variantes do português que estão acostumados a ouvir e contactar, como é o caso do português do Brasil, e para promover um estilo de vida saudável em que o desporto pode ser útil para a nossa saúde e, porque não, para aprender outro idioma?